segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Os jornais vão-me fazer muita falta

Acaba de ser publicado o último número em papel da revista Newsweek.
 O Le Monde noticiava ontem que mil postos de venda de jornais foram suprimidos em França nos últimos tempos. Por cá no dia de Natal e no primeiro de Janeiro há jornais que não se publicam e quiosques que não abrem. Voltamos aos ardinas, ou a imprensa escrita está mesmo a chegar ao fim? A falta que sinto de jornais e do tempo que me fazem perder!

domingo, 30 de dezembro de 2012

O Povo e os falsos profetas

É da Bíblia. Quando um povo está em cativeiro aparecem os profetas. Uns são falsos, os outros não se sabe. Maquiavel, um espírito laico, preferiu separá-los entre os armados e os desarmados, não augurando nada de bom a estes últimos.
Quanto ao povo, já Rousseau confessou não saber exactamente o que faz com que um povo seja efectivamente um povo, embora tivesse a certeza de que é nele que reside a origem da soberania. Não sei se se deixaria guiar pelo que escrevi este fim - de- semana no Correio da Manhã sobre estes temas, mas que o povo voltou a aparecer ao governo no ano de 2012, lá isso voltou.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Crescem os mortos e os desempregados...

No ano de 2012 houve mais mortes do que nascimentos em Portugal. É um défice alarmante pior do que os défices excessivos que preocupam os econometristas. A não ser que seja uma forma de diminuir os desempregados no futuro...

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

O meu amigo Mário Borges

Conheci o arquitecto portuense Mário Borges em Genebra em 1968. Exilado no princípio dos anos sessenta, passara por Londres e depois fixara-se na Suíça. Na altura em que o conheci já era mais um intelectual crítico do que um militante político.Muito céptico quanto aos «amanhãs que cantam», conversar com ele sem agenda nem finalidade era sempre um desafio: desde o urbanismo aos «Rencontres de Genève» que papávamos com afinco em Setembro nesses anos reanimados. Fiz uma referência a essas conversas no livro Pátria Utópica que um grupo de exilados que regressou a Portugal depois do 25 de Abril publicou.
Mário Borges não regressou. Deixou-se ficar quase sozinho na cidade de Calvino.Participou na concepção do novo edifício da Cruz Vermelha Internacional que mostrava com cuidados de pai. Quando vinha a Lisboa  era uma festa de ideias, debates, reencontros, e planos para o futuro. Há menos de um ano informou-nos que regressava ao Porto e que dizia adeus a Genebra. Estava doente. Ainda o fomos visitar ao Porto. De uma das vezes levei-lhe As Cartas a Lucílio de Séneca. Da outra disse-me que já não o podia ler porque o volume lhe pesava cada vez mais e se tornara incómodo.Lia Santo Agostinho. Faleceu em plena quadra natalícia e deixou uma pequena lista de nomes para notificar quando se desse o acontecimento. Mário Borges, um amigo para a vida e para a morte.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Assistencialismo nos feriados

O governo suspendeu com fanfarra uns quantos feriados nacionais obrigatórios à conta de um PIB que lhe não obedece em termos de crescimento. Implacável quanto a a algumas datas históricas, como o 5 de Outubro e o 1º de Dezembro que não devem dizer muito à geração desses jotas, essse mesmo governo concedeu dois dias de tolerância de ponto nesta quadra assistencialista sendo um deles a imprescindível véspera de Natal, e o outro o dia 31 de Dezembro que tem o valor simbólico de uma «ponte» pagã oferecida pelos «governantes» aos «governados». Que sorte!

domingo, 23 de dezembro de 2012

Monti, o florentino

Mário Monti pode não ser um político profissional, mas sabe usar a preceito a cultura florentina reinante em Itália. Não será candidato nas próximas eleições mas não se furtará a exercer de novo a chefia do governo em Roma se para isso for convidado pelos partidos vencedores...

sábado, 22 de dezembro de 2012

O fim do mundo

No Cabo Submarino de hoje chamo a atenção para as propostas da equipa de sete economistas do PNUD, coordenada pelo português Baptista da Silva. É muito significativo que o secretário-geral da ONU tenha chamado a si o tema da evolução social e económica dos países do sul da Europa prevista como potencialmente explosiva. Já não estamos sós nas propostas de actualização e renegociação dos termos do «Memorando de Entendimento». Há um outro mundo quando este acabar.
Aviso posterior ( a 24 de Dezembro ):
Parece haver dúvidas sobre os títulos com que Artur Baptista da Silva se apresentou quando discursou no Grémio Literário em Lisboa a 4 de Dezembro, quando deu a entrevista ao Expresso que foi objecto de um despacho da Reuters de 15 de Dezembro, e depois quando foi à TSF e à SIC-N, além de outras participações públicas. Mas não seria negativo continuar a ouvir as suas propostas na qualidade de simples cidadão.Por mim lamento que o tal Observatório não esteja a funcionar...

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

The Newtown aftermath

Quando se disse que as «ideologias estão mortas» pensava-se em que termos? A mortandade de Newton demonstra que quase tudo se pode discutir em termos  micro-ideológicos ainda hoje. De um lado, os que acham que tudo se deve às doenças mentais e à sua despistagem e tratamento, por outro, os que só atacam a facilidade  com que se compram arsenais de armas automáticas em certos Estados dos States que é para onde me inclino. Mas as coisas serão assim tão dicotómicas? E o que faz com que as escolas sejam alvos preferenciais dessas mortandades nos EUA?

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Portugal Economy

Creio que desde os anos da revolução em 1974-1975 que Portugal não despertava tanto a atenção do mundo internacional como desde que pediu o «resgate» à troika. Ficamos a saber pelo Expresso que o secretário-geral da ONU criou um
 Observatório Económico e Social para os países do sul da Europa, incluindo Portugal nesse painel. A entrevista dada pelo seu coordenador, Artur Baptista da Silva, é desassombrada e muito informativa sobre o que nos espera se não houver actualização dos termos do «Memorando de Entendimento». Além da proposta sobre uma conferência internacional sobre o problema das dívidas soberanas, sobejamente sugerida por quem tem os pés assentes na terra e não é procurador da agiotagem, o grupo de Baptista da Silva chama a atenção para o facto de 41% da dívida soberana consolidada de Portugal se dever à comparticipação financeira do OE nos projectos comunitários aprovados pelos regulamentos dos fundos estruturais. Fico à espera que o meritório site Portugal Economy ( http://www.peprobe.com/ ) nos dê conhecimento dos principais estudos da ONU sobre Portugal que se venham a realizar por esta Observatório, ou outras entidades.

As empresas e as famílias

«As empresas e as famílias» são muitas vezes atiradas pelos ideólogos da esfera privada contra o Estado. Mas ao saber-se que as empresas não querem contribuir monetáriamente para os estágios dos alunos da formação profissional, percebe-se que as famílias ficam mais sozinhas na educação dos filhos. Claro, mal acompanhadas pelos fundos sociais europeus no norte onde ainda se aplicam, e pela República Portuguesa no sul onde só o Estado paga o ensino profissional...

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Pensões e seriedade

Mais um esclarecedor artigo de Bagão Félix no jornal Público sobre o tema das reformas, em que desmonta as «declarações infelizes e abusivas» de Passos Coelho diante de um auditório da sua juventude partidária como se estivesse a preparar uma «revolução cultural» dos jovens contra os idosos reformados. Cito Bagão Félix:
«Não nos esqueçamos que o regime Previdencial da Segurança Social, além de constitucionalmente autónomo, até é superavitário...» E adverte:
«A Segurança Social de base contributiva caminha inexoravelmente para a destruição, engolida por um todo-poderoso Ministério das Finanças que tudo leva na enxurrada.»
Mas o melhor é ler todo o artigo.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Reformas, caneladas e o futuro

Marcelo viu o primeiro-ministro dar uma canelada grossa no PR por causa das pensões de reforma e marcou-lhe falta. Por mim fico com imensa curiosidade sobre que tipo de plano de reforma anda Passos Coelho a fazer para si e os seus. O prazo não me parece distante...

sábado, 15 de dezembro de 2012

Citar Lincoln no Nobel

No artigo www.cmjornal.xl.ptO Nobel da Caridade chamo a atenção para o discurso de Van Rompuy na cerimónia de atribuição do prémio em Oslo. Nele Van Rompuy citou Abraão Lincoln sobre os benefícios da União entre Estados. A mensagem é ambivalente: o presidente dos States lutou contra o modelo social da escravatura mas também consagrou o fim da possibilidade dos Estados federados à secessão. E uma nova guerra para impor as convenções da OIT a nível global não tem adeptos poderosos enquanto a pressão para a baixa de preços mundial com origem na Ásia continuar...

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

O número de Outubro da Revista Militar

Qualquer estudioso, ou historiador, de assuntos de defesa conhece a multicentenária Revista Militar fundada em 1848 quando o Estado português se esforçava por se reconstituir. Hoje, no meio de novas dificuldades, a Revista, sob a direcção do General Pinto Ramalho, resolveu entrar no debate sobre a oportunidade, ou não, de revisão do Conceito Estratégico de Defesa Nacional, e convidou um significativo grupo de individualidades em Setembro a pronunciar-se sobre a matéria. Tendo sido um dos participantes não quero deixar de felicitar a direcção da revista pela iniciativa e de chamar a atenção para a excelente súmula do debate publicada no número de Outubro. E recomendar a leitura a todos a quem o assunto deva interessar.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Nomeações jornalísticas, demissões políticas?

A RTP, porque pública, sempre foi um óptimo laboratório para se observar como as sub-oligarquias apresentam a sua dominação no aparelho informativo. De uma maneira geral a escolha do director e da equipa de informação é apresentada como derivada do mérito e do critério jornalístico. Quando chega a demissão é sabido que o critério se apresenta como político, no princípio e no fim! Saiu agora Nuno Santos, entrou Paulo Ferreira. Não há heróis nem vilões na Marechal Gomes da Costa. Fora os que continuam sempre lá.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O Nobel salva a UE?

Foi triste a cerimónia da entregua do Nobel da Paz em Oslo à UE. Como se os circunstantes tivessem o sentimento que o prémio foi atribuído pelo passado e não pelo presente. Postumamente.

sábado, 8 de dezembro de 2012

Nem Grécia, nem Espanha.

O Cabo Submarino deste sábado chama a atenção para o facto de não ser só a Grécia que beneficia de melhores taxas de juro dos fundos europeu do que Portugal. A Espanha, mesmo sem ser um «país de programa», conseguiu um empréstimo de 40 mil milhões de euros para refinanciar o seu sistema bancário a uma taxa de juro de 1%.

Parabéns, Mário Soares !

Do alto dos seus 88 anos de uma vida sem virar a cara nem a esconder-se no estatuto histórico que alcançou, Mário Soares ainda hoje incomoda muita gente como se nota na imprensa deste fim-de-semana. Sobretudo os instalados e os timoratos. Parabéns Mário Soares neste dia 8 de Dezembro. Precisamos de si nestes tempos terríveis.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Câmara Clara

Temos uma nova máxima cá em casa:«É bom? Deve estar para acabar
Chegou assim a vez do programa da Paula Moura Pinheiro, Câmara Clara, que nos acompanhava ao domingo no Canal 2. Um excelente programa de informação e debate sobre cultura. Ainda há dias deliciara-me a ouvir o José-Augusto França, perene nos seus noventa anos. Por lá passei uma vez a discutir o Império Romano e a União Europeia, à minha maneira. Recordo isso no dia em que recebi um e-mail a dar-me conta, elegantemente, do final do programa. Assim acontece...

Para ganhar ou para vender?

Há muito que não escrevo aqui sobre futebol. Mas ontem ao ver o meu SLB a jogar contra o Barcelona B e a exibir os seus espanhóis como o Nolito e o Rodrigo fiquei com a impressão que o principal objectivo era mostrar a mercadoria para venda e não tanto a vitória, arredada psicologicamente em Camp Nou. Rodrigo bem o ilustrou, que com dois companheiros flagrantemente melhor colocados para marcar o golo rematou ingloriamente para o mercado...Não dizem nada ao rapazito?

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Países de programa

Foi Vítor Gaspar quem, na AR, usou a extraordinária expressão, de «países de programa» para os que poderiam beneficiar, sentados, do esforço negocial dos governantes e do povo da Grécia em termos de juros e de prazos no pagamento dos empréstimos, os da troika incluídos, desde que «intervencionados», sob «resgate», signatários de «memorandos de entendimento» e outros eufemismos. Portugal estaria à cabeça desse reduzidíssimo pelotão da retaguarda. O extraordinário Passos Coelho apareceu a seguir na TVI com o ar maroto de quem se sabe poupar na arena internacional. O presidente do eurogrupo afirmara que assim estava decidido nestes casos desde Junho. Mas bastou uma pergunta mal endereçada no PE ao ministro alemão em vésperas de congresso da CDU para fazer ruir o castelo de cartas dos nossos amadores negociadores europeus. Para aprenderem.Infelizmente à nossa custa.

Joaquim Benite (1943-2012 )

Acabo de saber do falecimento de Joaquim Benite, o grande promotor do Festival Internacional de Teatro de Almada do qual me tornei assíduo frequentador. Há uns anos que o Joaquim Benite aparecia numa cadeira de rodas mas solidário, enérgico e solar. Estive aliás numa homenagem em que o embaixador de França o condecorou este Verão. Ficamos mais pobres com o seu desaparecimento.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O bom aluno paga propinas

O deputado Diogo Feio, do mesmo partido do MNE, perguntou, no Parlamento Europeu, se Portugal teria os mesmos juros e facilidades de pagamento que a Grécia obteve a semana passada. Contrariamente à expectativa do bom aluno de Lisboa o ministro federal alemão das finanças deu-lhe uma rabecada escusada e até injusta. Mas nessa escola os bons alunos pagam propinas. Sobretudo quando levantam o dedo a pensar que sabem...

O banco central como símbolo

Scolari, o seleccionador das multidões, sabe mexer com a psicologia social. Mal foi nomeado treinador do Brasil disse que os jogadores que não aguentam a pressão deviam ir trabalhar para o banco central do Brasil!E o Banco do Brasil é um verdadeiro banco central e não um mero gabinete de estudos como alguns se tornaram na zona euro. Basta dizer que tem cerca de 160.000 funcionários...Sem pressão.

sábado, 1 de dezembro de 2012

O último orçamento

Passos Coelho não aprende nem com os erros dos outros e muito menos com os seus. Na entrevista à TVI este semana replicou o desastre do anúncio da subida da TSU para os empregados com o fim da gratuitidade do ensino público obrigatório.
O primeiro-ministro não dá mostras de querer alterar as opções políticas como os signatários da carta aberta que lhe foi entregue propõem. O orçamento para 2013 será pois o último da sua autoria.

Gosto